Bahia, 14 de Maio de 2021
Por: CNN Brasil
15/04/2021 - 07:38:04

Mais de um ano depois da chegada da Covid–19 à América do Sul, países da região apresentam uma explosão no número de casos da doença nas últimas semanas. A situação foi classificada como a mais alarmante no mundo pela diretora-geral da Opas (Organização Pan–Americana da Saúde), Carissa Etienne, no dia 7 de abril. "Em nenhum lugar as infecções são tão preocupantes como na América do Sul", disse a executiva da Opas, agência de saúde que atua como escritório da Organização Mundial da Saúde (OMS) no continente.  

Atualmente, a América do Sul é a região com o maior número proporcional de novos casos diários. A virada aconteceu no último dia 6, quando o continente chegou a 256 novos casos diários por milhão de habitantes, enquanto a Europa, até então líder, tinha 250, segundo a plataforma Our World in Data. 

A América do Sul também apresenta o pior cenário do mundo quando se considera a média móvel de mortes em um intervalo de sete dias. A diferença assusta: na última segunda-feira (12), a média móvel de mortes da região beirava a marca de dez para cada milhão de habitantes – a da Europa, a segunda pior, estava abaixo de cinco.

Em contraste com a aceleração da pandemia, a região tem somente 3% da população totalmente vacinada. Para se ter uma ideia, a Europa tem quase 6% e a América do Norte lidera com 13%, mesmo com a inclusão de países da América Central e do Caribe.

Até Chile e Uruguai, que vacinaram, respectivamente, cerca de 37% e 22% de suas populações com ao menos uma dose, vêm atingindo marcas inéditas nas mortes e contágios diários pelo coronavírus. 

Na sexta-feira (9), o Chile superou pela primeira vez a marca de 9 mil novos contágios em apenas um dia. Já o Uruguai registrou, na segunda-feira (12), o número recorde de 71 mortos pela Covid.

Paciência se esgotou antes de haver imunização

Mas o que explica a situação da região? Para especialistas ouvidos pela CNN, há uma soma de fatores. Sem uma redução eficiente da mobilidade, por exemplo, as medidas de distanciamento e isolamento são precárias ou praticamente inexistentes. A desigualdade social e a falta de auxílio financeiro por parte dos governos também são elementos da equação.

“A única solução para a pandemia é a vacina, e, até lá, paciência e confinamento. No Cone Sul, a paciência se esgotou antes de a vacina ter produzido a imunidade”, diz o cientista político argentino Andrés Malamud, pesquisador do Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa, em Portugal.

É nesse sentido que, na avaliação de Malamud, se veem os reflexos da desigualdade social e da falta de apoio dos governos. “Na América Latina, o alto grau de informalidade exige que muitos setores da sociedade saiam para trabalhar”, diz.

“Funcionário público não tem problema, mas empregados privados, trabalhadores informais e desempregados não podem ficar isolados sem receber nenhum tipo de compensação financeira”, afirma o cientista político.

Miriam Saraiva, professora de relações internacionais da UERJ (Universidade do Estado do Rio de Janeiro) e pesquisadora sobre integração sul–americana e Mercosul, avalia ainda que, por uma questão de “cultura política”, os governos sul–americanos tendem a não conseguir convencer os cidadãos a tomar os cuidados necessários para o controle da pandemia.

“Os governos não têm capacidade de enquadrar suas próprias sociedades, [de fazer com] que haja um pensamento coletivo, que cada cidadão se sinta obrigado a ter um determinado comportamento”, pontua. “Isso é uma questão de cultura política, que não se pode criar da noite para o dia, e aqui na América Latina faz falta”, afirma.

Muita fronteira e pouca cooperação

Um desafio a mais para a América do Sul é lidar com a enorme extensão de fronteira seca entre os países – o que, para os especialistas, torna praticamente impossível que um país da região consiga vencer, sozinho, a batalha contra o coronavírus.

“Essas iniciativas de fechar fronteiras, de dizer ‘ah, o vírus vem daí’, não adiantam. Entre Uruguai e Brasil, existem ruas que separam a fronteira. Como você vai fechar?”, questiona a professora Miriam Saraiva.

No Uruguai, os piores indicadores da pandemia estão na região norte, perto da fronteira com o Brasil. O governo uruguaio permitiu a vacinação de brasileiros na fronteira – mas, por enquanto, a medida vale apenas para quem já tem a dupla cidadania.

Para Saraiva, é preciso haver ações coordenadas regionalmente para o combate efetivo do coronavírus na América do Sul, inclusive por se levar em conta as novas variantes do vírus. Como possíveis medidas, ela cita o intercâmbio de experiências, iniciativas e até de insumos entre cientistas e os governos dos países.

“Um país pode se sair bem sozinho se for uma ilha, como a Nova Zelândia. Na América do Sul, não há isolamento possível e nem cooperação suficiente”, avalia o cientista político Andrés Malamud.

Só vacinação não resolve

Mais adiantados na vacinação, Uruguai e Chile mostram que somente a aplicação de doses não é o bastante para conter a pandemia. 

Se recentemente o Uruguai atingiu a marca de mais de 1 milhão de vacinados com ao menos uma dose de imunizante contra a Covid–19, por outro lado os contágios diários e o número de mortes não param de crescer. Segundo a plataforma Our World In Data, o país entrou nos últimos dias para o ranking dos 10 países com mais casos novos de coronavírus por dia a cada 100 mil habitantes. 

Gonzalo Moratorio, virologista e pesquisador responsável pelo Laboratório de Evolução Experimental de Vírus do Instituto Pasteur de Montevidéu, afirma que é necessário “ajudar o plano de vacinação diminuindo os contágios”. “Não estou sugerindo nenhum regime de confinamento, de quarentena obrigatória, mas apenas reduzir muito mais a mobilidade do que foi feito até agora”, pontua.

O Chile, apesar de ser o país com índice mais alto de vacinação na América do Sul, não conseguiu conter o crescimento acelerado dos casos. Na sexta (9), o país registrou mais de 9 mil novos casos em 24 horas, um recorde desde o início da pandemia.

Assim como Moratorio, Jaime Labarca, médico infectologista e chefe do departamento de doenças infecciosas da PUC-Chile (Pontifícia Universidade Católica do Chile), destaca que contar apenas com a vacinação como forma de controlar a pandemia não parece ser suficiente.

Uruguai cantou vitória antes do tempo

No Uruguai, a vacinação teve início somente no fim de fevereiro de 2021, em meio a protestos de diferentes setores políticos e científicos que se queixavam da demora nas negociações do presidente Luis Lacalle Pou para obter os imunizantes. À época, os casos de coronavírus já começavam a aumentar no país. A estratégia do governo, no entanto, foi manter o discurso pela “liberdade responsável” dos uruguaios, mantendo bares, restaurantes e shoppings abertos, e apostar principalmente na vacinação.

No cardápio de vacinas usadas, estão a do laboratório Sinovac – idêntica à CoronaVac, porém importada da China; a da Pfizer, usada principalmente para imunizar profissionais da saúde e idosos; e, em menor proporção, a AstraZeneca, recebida por meio do consórcio Covax Facility.

Nas ruas de Montevidéu, é comum ver pessoas sem máscara. Encontrar alguém usando a máscara do modelo PFF–2, que oferece maior proteção contra o vírus, é praticamente impossível na capital uruguaia.

“O que aconteceu foi um relaxamento extremo da população, foi o cantar da vitória antes do tempo. Houve também um afastamento das autoridades nacionais, com relação à comunidade científica, no que diz respeito à tomada de decisões”, afirma Gonzalo Moratorio.

Em março, uma equipe de cientistas – Moratorio entre eles – confirmou a circulação de novas variantes do coronavírus no Uruguai, entre elas a brasileira P.1, relacionada a uma maior capacidade de transmissão e de infecção dos mais jovens. Organizações de médicos e cientistas já alertam para o risco de colapso do sistema de saúde no país. 

Deslocamentos na costa chilena

No Chile, o infectologista Jaime Labarca descreve um cenário que também se desenhou em outros países: o crescimento de casos ligado à alta mobilidade da população durante o verão. No caso chileno, após meses de uma quarentena mais rígida em 2020, o governo do presidente Sebastián Piñera resolveu flexibilizar as medidas no início deste ano. “Algumas áreas do país tinham poucos casos. Muita gente viajou entre Santiago e a costa, contribuindo para a circulação do vírus”, afirma.

Labarca também ressalta que, como o país está vacinando grande parte da população com a vacina do laboratório chinês Sinovac, é preciso esperar um intervalo de 15 dias após a administração da segunda dose para considerar que uma pessoa esteja, de fato, imunizada. Assim como o Uruguai, o Chile também administrou doses da Pfizer, direcionadas prioritariamente aos profissionais da saúde.

No início de abril, em meio à alta nos casos, o governo chileno voltou a adotar medidas mais duras e fechou novamente as fronteiras. “Somente agora houve suspensão de viagens internacionais. Antes, em plena pandemia, as pessoas foram de férias para o Brasil, para Miami. Também é preciso definir melhor quais serviços são de fato essenciais e aumentar a fiscalização”, sugere o infectologista.

Veja + Reportagem Especial