Bahia, 23 de Julho de 2024
Por: conexaoplaneta.com
05/07/2024 - 05:35:52

“Enquanto andávamos nessa mata a cortar lenha, atravessavam alguns papagaios por essas árvores – alguns deles verdes e outros pardos grandes e pequenos – de maneira que me parece que haverá nesta terra muitos…”. O relato pertence a um trecho de uma das cartas escritas por Pero Vaz de Caminha ao Rei de Portugal, Dom Manuel, em 28 de abril de 1500, descrevendo as primeiras impressões sobre a recém batizada Terra de Vera Cruz e sua exuberante natureza. Em outro ponto, o escrivão português menciona ainda “papagaios vermelhos muito grandes e formosos”.

Acredita-se que esse último registro, entre os primeiros escritos sobre as espécies que existiam no Brasil naqueles tempos, faça referência à arara-grande-vermelha (Ara chloropterus). Certamente não há como essa ave belíssima passar despercebida. Medindo quase 90 cm de comprimento, ela tem a plumagem acima da cabeça e no topo das asas de um vermelho intenso. A face, com fundo branco, é decorada por linhas delgadas de penas vermelhas também, mas a parte média das asas possui tons verdes e os extremos azuis, incluindo a ponta do rabo.

Assim como outras espécies de aves que antes eram vistas com abundância pelas florestas brasileiras, a arara-vermelha acabou desaparecendo de muitas áreas e inclusive, sendo extinta em algumas, inclusive onde justamente ela foi observada por Pero Vaz de Caminha há mais de 500 anos, o sul da Bahia. Entre os séculos 19 e 20 seu voo colorido não era mais observado ali.

Mas um novo projeto está trazendo de volta a espécie para os céus da Mata Atlântica baiana. Desenvolvido pelo Centro de Triagem de Animais Silvestres (Cetas) do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis, com apoio de diversas entidades, 35 araras-vermelhas foram soltas recentemente numa reserva particular do patrimônio natural (RPPN) em Porto Seguro.

As aves que fazem parte do projeto são originárias de cativeiro, apreendidas em ações de combate ao tráfico de animais silvestres realizadas por órgãos ambientais estaduais e municipais de todo o país. Por essa razão, elas não poderiam ser reintroduzidas imediatamente na natureza, mas precisavam passar por um período de aclimatação e aprendizado primeiro.

Após a chegada em Porto Seguro e o período de quarentena, as aves foram transferidas para um grande recinto no meio da mata. O objetivo é que com mais espaço, elas pudessem fazer voos maiores e ganhassem musculatura. Além disso, precisavam se adaptar ao clima da região e também, se possível, formassem casais.

Depois desse período, a equipe do Cetas iniciou o processo conhecido como “soltura branda”, em que as portas do viveiro são abertas e as aves podem começar a explorar o ambiente externo até conquistarem a coragem de alçarem voos mais altos e buscarem um lar definitivo na floresta.

“A partir de agora os animais serão submetidos a um monitoramento pós-soltura de longo prazo”, revela Ligia Ilg, analista ambiental do Ibama e coordenadora do projeto.

Veja + Notícias/Geral