Bahia, 16 de Outubro de 2021
BANCO CENTRAL

Presidente do BC diz que aumento da criminalidade não está ligado ao Pix
“Se a gente olhar o gráfico de incidências e de abertura econômica o que aconteceu é que você tinha um número de incidências e a economia fechou, não tem bar, não tem restaurante, não tem cinema, as pessoas ficam em casa. Obviamente os sequestros-relâmpago caem, a criminalidade cai, quando a economia volta a reabrir, isso volta, só que antes a gente não tinha Pix, agora a gente tem“, disse Campos Neto, em evento da Associação Comercial de São Paulo.
Por: O Antagonista
05/10/2021 - 07:03:04

O presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, negou nesta segunda-feira (4) que a implementação do Pix esteja ligada ao aumento da criminalidade. Segundo ele, a maior incidência de roubos e sequestros tem a ver, na verdade, com a reabertura econômica após a pandemia.

“Se a gente olhar o gráfico de incidências e de abertura econômica o que aconteceu é que você tinha um número de incidências e a economia fechou, não tem bar, não tem restaurante, não tem cinema, as pessoas ficam em casa. Obviamente os sequestros-relâmpago caem, a criminalidade cai, quando a economia volta a reabrir, isso volta, só que antes a gente não tinha Pix, agora a gente tem“, disse Campos Neto, em evento da Associação Comercial de São Paulo.

Para combater a alta dos crimes praticados usando a ferramenta, o Banco Central implementou uma série de medidas. Algumas delas entram em vigor nesta segunda, como o limite de R$ 1 mil para transferências noturnas e a possibilidade de estabelecer quais contatos poderão receber recursos acima de R$ 1 mil a qualquer hora.

A partir de 16 de novembro, os bancos também poderão bloquear recursos de usuários por 72 horas em caso de suspeita de fraude.

Veja + Notícias/Geral